Lendas & Calendas

Fórum dedicado a algumas belas histórias e curiosidades dos países de língua portuguesa.
 
InícioInício  CalendárioCalendário  FAQFAQ  BuscarBuscar  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  Conectar-se  
Buscar
 
 

Resultados por:
 
Rechercher Busca avançada
Últimos assuntos
» Falar é facil
Dom Dez 11, 2016 8:18 pm por Contos Infantis

» Pintores...
Ter Jun 14, 2016 7:09 pm por Admin

» Lenda da Serra do Nó (Viana do Castelo)
Dom Nov 09, 2014 10:39 pm por Admin

» A gaivota que não queria ser
Ter Ago 14, 2012 3:12 pm por Contos Infantis

» Vida Depois da Morte...
Qua Maio 02, 2012 11:10 pm por Admin

» Café em Roma...
Qua Mar 14, 2012 4:07 pm por Admin

» O Criador de Galinhas...
Seg Mar 12, 2012 8:59 pm por Admin

» Pobres Monges...
Sex Fev 24, 2012 8:13 pm por Admin

» Há putos assim... são especiais!
Dom Nov 20, 2011 4:53 pm por Admin

Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Fórum

Parceiros








Compartilhe | 
 

 O Moínho de Café, a Bandeja e o Bastão (Conto Tradicional)...

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Admin
Admin


Mensagens : 411
Data de inscrição : 11/01/2009

MensagemAssunto: O Moínho de Café, a Bandeja e o Bastão (Conto Tradicional)...   Ter Dez 29, 2009 2:57 am

ERA UMA VEZ um pobre lenhador que tinha uma esposa e sete filhas. Ele trabalhava bastante mas, apesar disso, continuava muito pobre. Assim se passaram vários anos.
Um dia, cortando árvores, de repente viu à sua frente um homem preto que lhe perguntou: — Por que você corta minha cabeça todo dia:
A resposta do lenhador foi: — Senhor, tenho em casa uma mulher e sete filhas para alimentar. Derrubar árvores é o único meio que sei de conseguir dinheiro. Vendo a madeira e assim não morremos de fome, embora passemos necessidades.
O coração do preto transbordou de piedade. Disse: — Darei a você um moinho de café que produzirá tanta comida quanto você o desejar. Mas não venha aqui novamente.
O lenhador chorou de alegria, beijou o negro, bendisse-o e agradececeu-lhe. Pegou as ferramentas e o moinho de café e dirigiu-se para casa. Durante o caminho, descansou e, como estivesse com fome, decidiu experimentar o moinho. Disse: — Moinho, dê-me arroz, carne e pão. — E dizendo isso, fechou os olhos. Quando os abriu, achou a comida à sua frente. Terminou a refeição e encaminhou-se rapidamente para casa.
Contou à família, alegremente, sobre a aparição do negro e seu presente maravilhoso. E toda a família agradeceu a Deus no céu por sua misericórdia e providência. Imediatamente, desejaram uma refeição sadia e substancial. E lá estava ela.
Assim viveram felizes a semana inteira.
Na vizinhança, viva uma velhina que os visitava de vez em quando. Um dia, uma semana depois que o lenhador trouxe para casa o moinho, apareceu ela para visitá-los e, como de costume, perguntou-lhes: — Como vão as coisas?
Uma das filhas alardeou: — Muito bem. Papai não trabalha mais. Possuímos um moinho maravilhoso, que nos provê de tudo o que desejamos.
Assim, a velhinha decidiu conseguir esse moinho para si. Um dia, visitou-os novamente quando outra filha estava em casa. Pediu-lhe o moinho emprestado, pois ela queria moer alguns grãos de café e não possuía moinho. — Devolverei o moinho dentro de umas três horas — prometeu. E o moinho lhe foi entregue. É claro que, em vez de devolver o moinho milagroso, trouxe de volta um moinho qualquer, apesar de ser quase idêntico ao moinho do lenhador.
O pai voltou à noite, dirigiu-se ao moinho na forma costumeira, mas, por Deus!, o moinho não funcionou. As filhas lhe contaram sobre a visita da velhinha e o pai lhes deu uma boa surra. Naquela noite, comeram os restos da refeição anterior e, no dia seguinte, ele pegou as ferramentas e foi novamente à floresta para abater árvores.
Começou a cortar a primeira árvore — e, novamente, quem aparece? Nada mais nada menos que o homem preto! E ele falou ao lenhador: — Não lhe dei um moinho maravilhoso, a fim de que você não aparecesse mais aqui? Por que está cortando a minha cabeça novamente?
O lenhador respondeu: — Senhor, minhas estúpidas filhas deram o moinho a uma velhinha e ela não o devolveu. Por isso, preciso voltar a trabalhar.
O negro pensou um momento e disse: — Vou lhe dar uma segunda oportunidade. Aqui está uma bandeja que produzirá quanto dinheiro você desejar. Mas não volte mais aqui.
Encheu-se novamente de alegria o coração do lenhador. No caminho, experimentou a bandeja: — Bandeja, bandeja, dê-me dinheiro! — E lá estavam moedas de ouro e de prata. Novamente contou à esposa e às filhas seu segundo encontro com o negro, e novamente todos agradeceram a Deus no céu por sua misericórdia e benevolência. Desta vez o lenhador avisou a todas que não emprestassem a bandeja a vizinho algum.
Passou-se uma semana em alegria e fartura, de novo apareceu a velhinha para fazer uma visita. E outra vez o lenhador não estava em casa. Traiçoeiramente, ela levou na conversa a mulher e as filhas do lenhador, e vocês sabem muito bem como as mulheres são conversadeiras e como adoram tagarelar! E acreditem ou não, ao sair da casa do lenhador, levava consigo a bandeja emprestada.
Imaginem a fúria do pai quando chegou em casa. Quase morreu de raiva. Desculpas como: "A mulher nos deixou confusas" não adiantaram nada. Esposa e filhas foram espancadas duramente, como bem mereciam. E, na manhã seguinte, o lenhador pegou suas ferramentas e dirigiu-se novamente à floresta.
Começou a cortar sua primeira árvore — e, novamente, quem apareceu? Naturalmente, nada mais nada menos que o homem preto! O lenhador contou-lhe então a estória toda, e o negro lhe disse: — Dei-lhe duas oportunidades, e você as desperdiçou. Aqui está a sua última chance. Vou lhe dar este bastão. Se ele estiver próximo de uma pessoa sem roupa, ele baterá até você dizer "Basta!" Primeiramente, bata em você mesmo, depois em sua mulher e suas filhas, e em seguida na velha que é sua vizinha.
O lenhador voltou para casa, despiu-se e recebeu uma surra e tanto, até que ordenou "Basta!" Depois disse à mulher e às filhas: — Hoje, tenho uma coisa maravilhosa para vocês. É um bastão que provê coisas muito boas. Entrem, uma a uma, no quarto e tirem a roupa. — As mulheres ficaram muito contentes. Uma a uma, entraram no quarto, tiraram a roupa e receberam uma surra de acordo até que o pai ordenou "Basta!"
No dia seguinte, a velha apareceu de novo para uma visita e fez a pergunta costumeira: — Como vão as coisas? — Como era natural, contaram-lhe sobre o bastão maravilhoso. E, quando deixou a casa, a velhinha levava consigo o bastão.
Passaram-se alguns dias, e a velha não voltava. Foram então visitá-la, entraram pela casa adentro e encontraram-na morta. Compreenderam então o que tinha acontecido. A mulher não soubera deter o bastão; assim, fora espancada até a morte. Naturalmente, acharam o moinho e a bandeja e levaram a ambos para casa.
Desde então viveram feliz e com fartura.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://lendasecalendas.omeuforum.net
 
O Moínho de Café, a Bandeja e o Bastão (Conto Tradicional)...
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Conjuntos - (chá e café)
» (Cesgranrio-RJ) Temperatura café
» Problema - ( fazendo café)
» Mercearia - (estoque de café)
» Uma jarra contém uma mistura de café e leite

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Lendas & Calendas :: Lendas e Contos Tradicionais :: Lendas, Mitos e Contos Tradicionais Portugueses-
Ir para: